Publicidade
Esportes Tóquio 2020

Membro do COI, australiano John Coates admite problemas para organizar Olimpíada

Comitê Organizador dos Jogos passa por dificuldades em função da pandemia de coronavírus, que já provocou o adiamento do evento

Última atualização: 22.05.2020 às 20:29

Cerimônia de entrega de chama olímpica para os Jogos do Japão chegou a ser realizada Foto: Markos Chouzouris/COI
O Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, que foram adiados para 2021 por conta da pandemia do novo coronavírus, está passando por problemas para deixar tudo em ordem para que a competição seja realizada. Quem admitiu isso foi John Coates, presidente do Comitê Olímpico Australiano (AOC, na sigla em inglês) e membro do Comitê Olímpico Internacional (COI).

CONTEÚDO ABERTO | Leia todos os conteúdos sobre coronavírus

"Enfrentamos problemas reais, temos muita gente envolvida: 11 mil atletas de 206 países, 5 mil técnicos e oficiais, 20 mil jornalistas, 4 mil pessoas envolvidas na organização e 60 mil voluntários", afirmou Coates, nesta sexta-feira (22), em uma conferência organizada pelo grupo de comunicação News Corp.

Coates, que já ocupou o cargo de vice-presidente do COI, fez questão de ressaltar que não há a possibilidade de adiar a competição para depois do verão, no hemisfério norte, de 2021. "Não podemos adiar mais a competição e devemos partir do princípio de que não haverá uma vacina contra o novo coronavírus Ou caso exista, não estará disponível para todos", disse o dirigente, que preside ao Comitê de Coordenação do COI para os Jogos de Tóquio 2020.

A opinião de Coates bate com a do alemão Thomas Bach, presidente do COI, que admitiu nesta semana que os Jogos Olímpicos podem ser cancelados caso a pandemia da Covid-19 não seja controlada até o meio do ano que vem - o evento está marcado para acontecer de 23 de julho a 8 de agosto. A ideia dos dirigentes é realizar em outubro encontros para definir políticas sanitárias para a Olimpíada.

Já o diretor executivo do Comitê Organizador Local, Toshiro Muro, afirmou que nem este órgão, nem mesmo o governo japonês, disseram em algum momento que 2021 era a "última opção" para que se realizassem os Jogos.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.