Publicidade
Cotidiano | Turismo Viagens

O turismo aposta nas famílias e nos recantos

Agências notam uma mudança na preferência de destinos e no perfil dos viajantes. Sair com um grupo que já convive ajuda a fugir do contágio. E destinos exclusivos estão em alta

Por Agencia Estado
Publicado em: 14.11.2020 às 03:00 Última atualização: 14.11.2020 às 09:06

Chapada dos Veadeiros, em Goiás, é um dos destinos turísticos que começam a oferecer viagens organizadas em grupos já em convívio, reduzindo risco de contaminação por Covid Foto: Adobe Stock
Viver em uma bolha é sempre algo criticado em relação às redes sociais. Nas viagens, no entanto, é uma atitude mais do que indicada para o momento, já que pressupõe reservar roteiros ou experiências entre pessoas conhecidas. O conceito já vem sendo explorado por operadoras no exterior - uma delas até lançou um produto chamado Book Your Bubble (Reserve sua Bolha). No Brasil, as empresas perceberam uma maior procura de programas por parte de famílias e amigos. Essa tendência também aparece entre os que reservam hospedagem e criam as próprias escapadas, como mostram levantamentos das principais plataformas de acomodações.
“A gente tem disponibilizado todos os nossos roteiros para saídas privativas. Em uma família de quatro pessoas, a diferença de preço não é grande. Fica igual ao regular ou até um pouquinho mais barato, porque a divisão do número de pessoas pelo serviço compensa”, diz Jota Marincek, de uma agência que incentiva turmas de viajantes conhecidos a fecharem uma pequena pousada se possível.
Caso contrário, ele ressalta que há uma redução no número de passageiros nas saídas regulares. “Nossos grupos estão menores e deixamos mais espaço entre as pessoas na van. Antes, eram de 15 a 18 pessoas, hoje entre nove e 12.” Outra estratégia para manter o distanciamento social, adotada pela agência na Chapada dos Veadeiros, em Goiás, é fazer os passeios mais disputados nos horários mais vazios.
No exterior
Lá fora, a canadense G Adventures criou uma promoção com descontos para quem quiser reservar um dos programas pré-formatados da empresa para viajar com a sua bolha de oito viajantes. A ideia do Book Your Bubble é incentivar escapadas de grupos já em contato, como duas famílias amigas ou parentes próximos. Agências brasileiras têm notado aumento na procura por pais e filhos juntos, depois do longo período de quarentena. “As pessoas estão buscando mais lugares de natureza. É uma alternativa para criar cumplicidade, tanto com crianças quanto com adolescentes, geralmente mais ariscos.”
Em pesquisa recente do site de reservas Booking.com, 56% dos brasileiros ouvidos disseram que irão procurar destinos menos conhecidos em áreas rurais, para curtir ao máximo a natureza. O levantamento The Future of Travel, da empresa global de reservas de acomodação, ouviu 20.934 pessoas, sendo 999 do Brasil. Três em cada quatro viajantes brasileiros disseram que passarão a valorizar experiências mais simples em futuras viagens, como aproveitar a família e estar ao ar livre nas férias, e 84% esperam que o setor de viagens ofereça opções mais sustentáveis
Grupos maiores
De acordo com o Airbnb, plataforma com casas e apartamentos para aluguel, mais da metade das viagens pesquisadas para 2021 inclui no mínimo três pessoas. A busca pelo aluguel de casas também vem crescendo no segmento de operadoras especializadas em roteiros personalizados. “O desejo de estar ao lado de pessoas queridas, aproveitando os pequenos prazeres da vida, se transformou em uma necessidade para muitos", diz Bobby Betenson”, empresário do ramo.
Enquanto esperamos uma vacina, se a vontade de sair por aí for maior, junte sua turma e reserve uma viagem só com quem já convive. É o tipo de bolha indicado para a segurança. De todos.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.