Publicidade
Botão de Assistente virtual
Notícias | Região OPORTUNIDADE

Escolas estaduais da região recebem inscrições para curso gratuito de magistério

Quatro estabelecimentos têm vagas para começar as aulas no segundo semestre deste ano

Por Carla Fogaça
Publicado em: 22.06.2022 às 07:00 Última atualização: 22.06.2022 às 13:20

As inscrições para o curso gratuito de magistério, para quem já possui ensino médio completo, estão abertas e seguem até o sábado. Ao todo, cinco escolas da rede estadual disponibilizam o curso na região, porém, somente quatro estão com vagas abertas no segundo semestre deste ano.

Turma do curso Normal do Colégio 25 de Julho aprende práticas pedagógicas
Turma do curso Normal do Colégio 25 de Julho aprende práticas pedagógicas Foto: Diego da Rosa/GES

Em Novo Hamburgo, o Colégio 25 de Julho está com 25 vagas para o curso de aperfeiçoamento, onde os alunos terão aulas no turno da noite a partir de agosto. Outras instituições, como o Instituto Sapiranga, em Sapiranga, o Instituto Professor Pedro Schneider, em São Leopoldo, e o Colégio Professor Jacob Milton Bennemann, em Feliz, também estão com vagas abertas. O município de São Sebastião do Caí disponibiliza o curso técnico, mas para o próximo semestre não abrirá novas vagas.

Segundo o assessor pedagógico da 2ª Coordenadoria Regional da Educação (CRE) Sérgio Rodrigues Carvalho, o curso dá certificado técnico e possui três semestres, além de 400 horas de estágio. "Após o aluno concluir o último semestre, ele ainda tem dois anos para fazer o estágio e receber o certificado de conclusão. É um curso bem completo com muitas aulas práticas e excelente aproveitamento", destaca.

Importante

Para a diretora do Colégio 25 de Julho, Andréia Muller, todos os profissionais de pedagogia deveriam passar pelo magistério em algum momento da vida. "Diferente da graduação, o curso tem muita prática e sempre tentamos levar o aluno para a realidade da sala de aula, já na graduação essa troca não costuma acontecer no dia a dia das aulas. Nossos professores dão artifícios e ferramentas para o profissional saber lidar nos mais diversos desafios de sala", salienta.

Área de atuação

Conforme a coordenadora das práticas pedagógicas do 25 de Julho, Maria Cladis Zilles Petry, a maioria dos alunos inicia sua carreira nas escolas particulares de educação infantil.

Embora o curso técnico habilite o docente para lecionar na educação infantil e nas séries iniciais do ensino fundamental (até 5º ano), os concursos públicos para o magistério contratam apenas profissionais formados em Pedagogia. A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) de 2007, exige que o professor só pode assumir turma com ensino superior, a atuação para quem faz o técnico em magistério ainda é ampla. "O Estado ainda aceita o técnico e alguns municípios criaram cargos que podem ser assumidos por esses profissionais", explica Sérgio.

Em São Sebastião do Caí, por exemplo, pessoas formadas no magistério podem realizar concursos públicos para a função de monitor da educação infantil e para professores da educação infantil e anos iniciais. Em Novo Hamburgo, São Leopoldo e Sapiranga o profissional precisa ter nível superior.

O candidato podefazer inscrição para o curso técnico neste link.

Kauã Ebehrardt, 16, é o único garoto na turma de 2.º ano do curso Normal do Colégio 25 de Julho
Kauã Ebehrardt, 16, é o único garoto na turma de 2.º ano do curso Normal do Colégio 25 de Julho Foto: Diego da Rosa/GES

Oportunidade e sonhos

A diretora do 25 de Julho reforça que existe uma alta solicitações de estágios nas escolas. "Tanto na rede municipal, que contrata estagiários, como para o estadual. Estamos sempre oferecendo vagas que chegam até nós para os alunos, lembrando que são estágios remunerados e geram ótima aceitação e desenvolvimento das aulas nos estágios curriculares", finaliza.

Kauã Ebehrardt, 16 anos, é o único garoto na turma de 2º ano do curso Normal, que é o ensino médio integrado ao técnico. Ele conta que no começo não se sentiu incluído na turma de maioria feminina, o que hoje já foi ultrapassado. "Quando disse que faria o normal riram da minha cara, disseram que não tinha a ver comigo", lembra. No entanto, o jovem garante que tem certeza sobre a carreira que deseja seguir.

Ainda indecisa sobre a segunda faculdade que deseja cursar, biologia ou educação infantil, a Pedagogia está garantida nos planos de Laura Nitschi da Silva, 17, aluna do 3º ano. Realizando estágio em uma escola de Estância Velha, ela se diz apaixonada pela educação infantil. "É uma experiência fantástica. Com certeza, vou continuar."

Influências

Ketlyn Macalli, 17, chegou ao Normal por aconselhamento da mãe. "Ela disse que eu precisava fazer uma coisa extra", conta. Sem professores na família, ela tomou gosto pelo magistério e, desde o 1º ano, é estagiária em uma escola infantil de Campo Bom. "Hoje eu descobri que dar aula é incrível. No começo até tentei resistir, mas fui me moldando e vi que o que sinto não tem explicação", declara.

Já Amanda Fortes Mendes, 16, conta que desde pequena alimenta o sonho de ser professora. Ela acompanhava a avó Salete Góis, 60, no trabalho de auxiliar de serviços gerais na Escola Municipal Jorge Ewaldo Koch, desde bebê. Isso porque a família é vizinha do colégio. Segundo Amanda, quando foi chamada para estudar no 25 de Julho ficou muito feliz. Ela já atua como estagiária. "Com certeza a minha avó foi minha inspiração", fala.

Colaborou Débora Ertel

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.