Publicidade
Botão de Assistente virtual
Notícias | Rio Grande do Sul INVESTIGAÇÃO

Após dizer que era fake news, rede de farmácias do RS confirma que áudio discriminatório é de funcionária

Colaboradora da Rede de Farmácias São João orienta equipe a selecionar candidatos conforme aparência e orientação sexual

Publicado em: 22.10.2021 às 17:56 Última atualização: 22.10.2021 às 18:03

O áudio com conteúdo discriminatório que circula desde o último fim de semana nas redes sociais é verídico e foi gravado por uma funcionária da Rede de Farmácias São João. De acordo com o delegado de Imbé, Antônio Carlos Ractz Júnior, a autoria, que já havia sido identificada pela Polícia Civil, foi confirmada também pela própria empresa à Polícia na noite de quinta-feira (21). 

A colaboradora tem cargo de gestão e atua no Litoral Norte. Segundo o delegado, ela será ouvida na próxima semana e pode ser indiciada por homofobia. "Ela está sendo investigada pela prática do crime de homofobia, que se equipara ao crime de racismo, pena de reclusão de 2 a 5 anos", afirma Ractz.

No áudio, que teria sido encaminhado a funcionários, a mulher cita características que deveriam ser observadas durante o processo de contratação e orienta a equipe a "cuidar as aparências". 

"Vocês sabem que feio e bonito é o mesmo preço, né gente? (...) Pessoas muito gordas, vocês sabem que... Então assim, cuidem as aparências. (...) Se pegar alguém, né, com todo o respeito, 'veado' e tudo mais, tem que ser uma pessoa alinhada, que não vire a mão", recomenda. (Leia na íntegra abaixo).

A rede São João chegou a classificar o áudio como "fake news", mas, depois, abriu uma Sindicância Administrativa Interna para apuração dos fatos e constatou que o conteúdo foi mesmo enviado por uma colaboradora. A empresa diz que a mensagem foi repassada sem o conhecimento da direção e "por meio de um canal paralelo, não reconhecido oficialmente pela empresa". (Veja a nota completa a seguir)

"Com a conclusão da sindicância, a funcionária foi desligada por justa causa porque a ação que ela praticou foi um ato isolado que não condiz com a política da empresa", afirma o advogado que representa a rede, Ricardo Breier.

Na próxima terça-feira (26), conforme a Polícia Civil, a rede de farmácias irá apresentar o diretor da empresa e o telefone celular que teria sido utilizado para gravação e envio da mensagem. O caso também é investigado pelo Ministério Público do Trabalho (MPT).

Áudio completo

"Bom dia, pessoal. Os horários foram alterados. A partir de sexta-feira, não teremos mais diferença de horário no domingo. Ou seja, vamos abrir às 7h30min e fechar no horário que está colocado ali. Precisamos alinhar esses horários das lojas. E uma observação: já estou ligando para as lojas para liberar as vagas para esse mês ainda. Porém, vocês sabem que feio e bonito é o mesmo preço, né, gente? Então, vamos cuidar muito nas nossas contratações. Pessoas muito tatuadas, vocês sabem que a empresa não gosta. A questão de piercing na língua, no nariz, na testa, não pode, a gente lida com saúde. Pessoas muito gordas, vocês sabem que... Então assim, cuidem as aparências. Cuidem as aparências. Se pegar alguém, né, com todo o respeito, "veado" e tudo mais, tem que ser uma pessoa alinhada, que não vire a mão e fale... né. Então, vamos cuidar as equipes que a gente vai pegar. Vamos pegar gente com a aparência boa, com disposição, com vontade. Porque assim. Eu tenho feito as entrevistas para as lojas de Imbé e tem muita gente boa disponível no mercado, então, não esqueçam: feio e bonito, a gente vai pagar o mesmo preço, então vamos pegar os bonitos, né? Que não somos bobos nem nada. Então, por favor, conto com vocês."

Nota da Rede de Farmácias São João

"A Rede de Farmácias São João vem, por meio de nota, novamente, reafirmar seu compromisso e respeito incondicional com a diversidade e inclusão. Como já foi comunicado, a empresa repudia toda e qualquer manifestação que possa contrariar ao ideal e valores de respeito aos direitos humanos. Há consciência de que a pluralidade é direito de todos e faz parte da Democracia em qualquer Estado de Direito, sendo que ratifica e solidifica o desenvolvimento sustentável e a preservação das liberdades individuais.
Neste cenário, nossa Política Interna repudia veementemente toda e qualquer forma de preconceito. Opiniões que contrariem esse ideal, não refletem nossos valores e princípios.

A partir desse pressuposto, o processo de contratação promove a diversidade, a inclusão e a cultura de vedação de quaisquer tipos de discriminação. Uma simples visita as lojas podem comprovar que esse é um compromisso real.

Em decorrência do áudio veiculado nas mídias sociais, informamos que no dia 18/10/2021, foi instaurado o procedimento de Sindicância Administrativa Interna para apuração e conhecimento da amplitude dos fatos, para a identificação de sua autoria e responsabilidades administrativas.

Foi realizada averiguação dos fatos, com respeito ao contraditório e a ampla defesa, colhido os depoimentos internos e ao final, constatou-se que o áudio foi enviado por uma colaboradora sem o conhecimento da Direção e através de um canal paralelo, não reconhecido oficialmente pela empresa. Foi um ato totalmente isolado de uma colaboradora, que não condiz com as práticas da empresa, basta adentrar em nossas lojas.

A Sindicância Interna resultou na aplicação das penalidades expressas na Consolidação das Leis do Trabalho.

Reforçamos nosso compromisso com a comunidade, colaboradores, autoridades e ao final, ficamos à disposição para maiores esclarecimentos, caso necessário."

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.